Lula concede entrevista para revista alemã e pede a quebra das patentes das vacinas contra a Covid-19

Em entrevista à revista alemã Der Spiegel – uma das mais influentes da Europa – o ex-presidente responsabiliza diretamente seu sucessor Jair Bolsonaro pelas 300.000 mortes no país. Ele apela à chanceler Angela Merkel – e tem uma proposta radical: quebrar as patentes das vacinas. “Isso é bom para toda a humanidade, e alguns empresários não podem enriquecer com isso. Não devemos permitir que os interesses comerciais deste ou daquele fabricante tenham precedência sobre os interesses da humanidade”

A ENTREVISTA

Por Marian Blasberg, Jens Glüsing e Britta Kollenbroich | Der Spiegel

Em 8 de março, um juiz do Supremo Tribunal invalidou todas as sentenças de corrupção contra Lula. Na terça-feira, a mais alta corte também declarou tendencioso o juiz Sergio Moro, que o condenou por corrupção e mais tarde foi nomeado ministro da Justiça pelo presidente Jair Bolsonaro. É a primeira entrevista de Lula desde aquela decisão. Foi realizada por Zoom, já que o encontro cara a cara atualmente não é possível – a pandemia corona está fora de controle no Brasil.

Lula agora pode desafiar o presidente em exercício no ano que vem. Seria a grande batalha política pelo futuro do Brasil: o populista de extrema direita contra seu antecessor social-democrata.

Lula, 75, é membro fundador do PT. Ele moldou o Brasil por uma década e meia. De 2003 a 2011, como presidente, e depois, como mentor de Dilma Rousseff, indicada por ele e destituída pelo Parlamento em 2016.

“Todos precisam ter acesso às vacinas. Temos que quebrar as patentes das empresas farmacêuticas”

Spiegel | Senhor presidente, quando o senhor recebeu o Spiegel pela última vez, há quase dois anos, você estava sob custódia. Hoje você é um homem livre e pode concorrer a um cargo político novamente. Você está satisfeito?

Lula | É uma pena que o Judiciário tenha demorado tanto para tomar essa decisão. As informações que levaram a esse julgamento já eram de seu conhecimento em 2016. Por cinco anos meus oponentes tentaram destruir a minha imagem. Trataram a mim e ao meu partido como corruptos. Estou feliz porque a minha fé na Justiça foi restaurada. Mas o juiz Moro não deve escapar impune, nem os promotores por contar tantas mentiras. Ele deveria perder seu emprego. Houve um pacto entre o Judiciário e alguns meios de comunicação para destituir a presidente Dilma Rousseff e impedir minha candidatura em 2018. Moro trabalhou nisso, ele era parcial.

Spiegel | O senhor vai concorrer contra Bolsonaro nas eleições presidenciais do ano que vem?

Lula | Não deveríamos estar discutindo candidaturas no meio da pandemia. Ontem, terça-feira, 3.158 pessoas morreram de Covid no Brasil. É o maior genocídio da nossa história. Nossa atenção agora não deve estar nas eleições do próximo ano, mas no combate ao vírus e na vacinação da população. Temos que salvar o Brasil da Covid-19.

Spiegel | O presidente Bolsonaro sempre ridicularizou o vírus como uma “gripezinha”. Recentemente, usou uma máscara e, em um discurso na televisão, falou a favor da vacinação pela primeira vez.

Lula | Um presidente não precisa saber tudo. Mas ele deve ter a humildade de consultar pessoas que têm mais conhecimento do que ele. Ele deve falar com cientistas, médicos, governadores e ministros da saúde para elaborar um plano sobre como derrotar Covid. Mesmo que o Bolsonaro não tenha espalhado nada estúpido em seu discurso, ontem, pela primeira vez, ele não leva Covid a sério.

Spiegel | Como isso acontece?

Lula | Ele não acredita em vacinação. Gastou uma fortuna em um remédio chamado hidroxicloroquina quando se comprovou que não adianta. Ele ridicularizava qualquer um que usasse máscaras como bicha. Por um ano, ele não levou o vírus a sério e nos contou mentiras. Por um ano, ele provocou todos que não concordavam com ele. Se ele realmente se importasse com as pessoas, teria dado o exemplo e colocado uma máscara imediatamente e não teria causado aglomerações. Se ele fosse um pouco digno, ontem ele teria se desculpado com as famílias dos 300.000 mortos de Covid e milhões de pessoas infectadas. Ele é o responsável por isso.

Spiegel | Como o vírus circula quase livremente no Brasil, novos mutantes agressivos estão surgindo aqui, o que também é perigoso para o resto do mundo. Você espera o apoio da comunidade internacional contra o Bolsonaro?

Lula | É responsabilidade de nós, brasileiros, deter esse homem e restaurar a democracia no país. Não precisamos de nenhuma ajuda do exterior para isso. O Brasil não aguenta mais se esse homem continuar governando assim. Nunca na história tivemos um presidente tão irresponsável.

Spiegel | Então por que não há mais resistência política ao Bolsonaro no país?

Lula | A mídia no Brasil criminalizou a política. A luta contra a corrupção é importante, mas todos os julgamentos de corrupção resultaram na eleição de um homem que fingiu não ser um político. Ele ganhou as eleições com base no ódio e governa com base no ódio. Qualquer um que diga algo crítico sobre o Bolsonaro será perseguido e ameaçado por seus apoiadores, assim como no governo de Trump. Bolsonaro é apoiado por milícias de direita. Ele assustou a sociedade, ela está entorpecida. Além disso, você não pode ir às ruas por causa do vírus. O mais importante é martelar na cabeça das pessoas que o Brasil não merece o Bolsonaro.

Spiegel | É verdade que o senhor fez campanha pessoalmente pela entrega de vacinas ao presidente russo, Vladimir Putin, e ao chefe de estado da China, Xi Jinping?

Lula | Escrevi uma carta para Xi Jinping e me reuni com representantes do Fundo Russo, responsáveis ​​pela distribuição da vacina Sputnik-V. Bolsonaro e seus seguidores espalharam pela internet que pessoas com vacinação chinesa teriam um chip implantado e que a Biontech poderia transformar pessoas em crocodilos. Temos que lutar com mentiras como essa aqui! Pedi a Putin e Jinping que ignorassem os insultos de Bolsonaro e seu ministro das Relações Exteriores quando o Brasil pedir vacina.

Spiegel | Os países mais ricos garantiram a maioria das doses de vacina em todo o mundo. Como os países mais pobres também podem obter vacinas suficientes?

Lula | Todo mundo precisa ter acesso às vacinas. Temos que quebrar as patentes das empresas farmacêuticas sobre as vacinas. Isso é bom para toda a humanidade, e alguns empresários não podem enriquecer com isso. Não devemos permitir que os interesses comerciais deste ou daquele fabricante tenham precedência sobre os interesses da humanidade. Esta é uma decisão humanitária, não tem nada a ver com socialismo. A humanidade está em jogo.

Spiegel | Para isso, você precisaria da cooperação dos países ricos.

Lula | Por isso apelo a Ângela Merkel para que trabalhe em um encontro internacional dos chefes de governo mais importantes para discutir essa questão. Ela é respeitada em todo o mundo. Essa reunião pode ocorrer no âmbito do G7 ou do G20, uma assembleia geral virtual extraordinária das Nações Unidas também poderia ser convocada. Alguém teria apenas que tomar a iniciativa. Fico chateado porque todo mundo só se preocupa com seu jardim. Nenhum país consegue resolver o problema sozinho. Mesmo na Alemanha e na França não há vacina, isso é incrível!

Spiegel | Por que não houve uma iniciativa internacional até agora?

Lula | Porque os líderes políticos discutem sobre outras coisas. Trump causou um estrago tremendo quando tornou a China um inimigo. Biden chama Putin de assassino. Não é assim que alguém se trata entre os estadistas! O que falta para finalmente chegar a uma decisão e parar de se acusar? Durante a crise financeira de 2008, quando o Lehman Brothers faliu, convocamos imediatamente uma reunião do G20. Alguém precisa pegar o telefone e organizar uma reunião para discutir como impedir que o vírus se espalhe. Então, podemos voltar às nossas disputas políticas.

Spiegel | Há um estudo que acusa o Bolsonaro de contribuir especificamente para a disseminação do vírus. Por que ele age assim?

Lula | Ele governa para uma pequena parte radicalizada da população, 25, talvez 30%. São pessoas que não acreditam na democracia. Este homem nem sequer se sentou com um empresário sério nos dois anos em que está no cargo. Ele nunca falou sobre produtividade ou crescimento econômico. Ele nunca se reuniu com os sindicatos ou com os movimentos sociais. Ele só se sente confortável com os militares.

Spiegel | O presidente da Câmara dos Deputados tem cerca de 60 pedidos de parlamentares para processos de impeachment. Por que não está sendo votado?

Lula | Porque o presidente do Congresso, que une a maioria dos parlamentares a seu lado, concorda em grande parte com a política econômica de Bolsonaro. A elite brasileira, o sistema financeiro e os bancos apóiam sua política econômica, assim como a mídia. Ele não tem conceito de política econômica, quer apenas privatizar todas as empresas estatais. É como um homem recém-casado e desempregado sentado com sua nova esposa em sua nova casa e dizendo a você: procurando trabalho? O que! Vamos vender a cama, a geladeira e a TV.

Spiegel: Sob seu governo, 20 milhões de pessoas saíram da pobreza. Naquela época, houve um boom de matéria-prima. Acabou. Esse milagre econômico pode ser repetido?

Lula | Às vezes eu brinco: o povo quer voltar ao passado do governo Lula. Diz-se que o mundo do trabalho mudou devido ao desenvolvimento tecnológico. Antes de conversarmos, vi um documentário sobre motoristas do Uber que venceram um processo por causa das más condições de trabalho. Milhões de pessoas que trabalham na Amazon e no comércio eletrônico nem têm direito a férias. Pessoas que trabalham para aplicativos não têm fins de semana, nem férias, nem seguro social. Todos deveriam assistir ao filme “Tempos Modernos” de Charlie Chaplin novamente para entender o que está acontecendo no mundo agora.

Spiegel | Essa economia de aplicativos é particularmente pronunciada no Brasil. Você quer mais influência do governo?

Lula | Ao contrário da Alemanha, onde existe esgoto funcionando, habitação social, uma boa rede rodoviária e ferroviária, ainda temos que construir tudo aqui no Brasil. Há muito espaço para investimento público. Se o governo não pressiona isso, como o setor privado pode criar empregos que gerem salários decentes? Se tivermos crescimento, as empresas estrangeiras voltarão ao Brasil para investir. Ninguém vai para um país onde a pobreza, a fome e o crime imperam.

Spiegel | O Brasil está dividido em dois campos que são hostis um ao outro. Como você pretende superar essa polarização?

Lula | O ódio ao meu Partido dos Trabalhadores está sendo alimentado porque ele representa a integração social. O Brasil carrega nas costas um legado de 350 anos de escravidão. “Casa Grande e Senzala” é o nome de um famoso livro sobre a sociedade colonial. Isso ainda é uma realidade. Os moradores do casarão não aceitam que os moradores da senzala de escravos subam um degrau na escala social. É isso que divide este país e porque tantas pessoas estão contra mim. Governamos por todos, mas os pobres sempre foram nossa prioridade. Se os pobres não compartilham da riqueza do país, não há solução para o país.

Spiegel | Bolsonaro trouxe muitos militares para seu governo. Ele freqüentemente ataca a democracia. Depois da invasão do Capitólio, em Washington, ele disse que as coisas podem piorar em Brasília se houver dúvidas sobre o resultado das próximas eleições. Existe risco de golpe?

Lula | Na verdade, eu deveria dizer não. Mas não pensei que minha sucessora, Dilma Rousseff, seria destituída do cargo, nem achei que os brasileiros votariam em um homem como Bolsonaro. Devemos dizer em alto e bom som que nos levantaremos contra qualquer tentativa de golpe, porque o Bolsonaro não sabe governar democraticamente. Ele não respeita os princípios básicos da democracia. No mundo do Bolsonaro não há espaço para dois times, ele não quer adversário. Ele quer vencer o jogo antes de começar.

Spiegel | Nos Estados Unidos, os apoiadores de Trump invadiram o Capitólio porque não aceitaram o resultado da eleição. Os militares do Brasil apoiariam Bolsonaro em uma tentativa de golpe?

Lula | Quem vai derrotar o Bolsonaro é o povo brasileiro. Ele pode se preparar para colocar a faixa presidencial em seu sucessor. Os democratas vão ganhar, os partidos de esquerda vão ganhar. O povo vai votar no próximo presidente e ele vai colocar o Brasil de volta em pé.

Spiegel | Seu Partido dos Trabalhadores em particular é muito odiado pelas Forças Armadas.

Lula | Eu tinha um relacionamento extremamente bom com os militares quando era presidente. Sempre os tratei muito bem. Reequipei o Exército, a Marinha e a Força Aérea e até paguei o salário mínimo aos recrutas. Mas os militares não precisam gostar de mim. Eles devem defender o país contra possíveis inimigos externos e respeitar a Constituição.

Spiegel | Se você concorrer, estabelecerá uma ampla aliança de oposição que também inclua partidos intermediários? Em 2002 você ganhou as eleições porque se apresentou como “Lula Paz e Amor”, um candidato à reconciliação.

Lula | Eu também sou assim no privado, não consigo evitar. Em algum momento chegará um momento como em 2002, em que José Alencar e eu ganhamos. Um grande empresário como candidato ao cargo de vice-presidente. Fizemos um pacto entre capital e trabalho. Você tem que ter um programa claro do que quer fazer com o país e então encontrar as forças políticas para apoiá-lo. O PT apresentará o seu programa e explorará possíveis alianças.

Spiegel | Ainda falta um ano e meio para as eleições, mas a campanha eleitoral quase já começou. Existem ameaças de morte contra você. Você não tem medo de ir para a rua?

Lula | Não me preocupo com isso. Não saio de casa há mais de um ano. Estou esperando com impaciência para receber a minha segunda dose da vacina em duas semanas para que eu possa finalmente dirigir pelo país novamente.

Spiegel | Senhor presidente, obrigado por esta entrevista.


Texto originalmente publicado no site do Partido dos Trabalhadores

Categoria:Lula

Deixe seu Comentário